Sexta-feira, 23 de outubro de 2020 14:47

Coleurb pede comunicação antecipada à prefeitura para poder informar e manter o melhor atendimento possível aos passageiros

 

A diretora-presidente da Coleurb, Paula Bulla, externou ao secretário municipal de Transportes e Serviços Gerais, Cristian Thans, a dificuldade que a empresa de transporte coletivo urbano enfrenta há bastante tempo para cumprir horários e itinerários em função de obras de repavimentação na cidade.  Naturalmente, essas melhorias são necessárias, bem-vindas e dignas de cumprimento à prefeitura, afirmou Paula em ofício. O problema é a falta de informação. “Desde o início das obras de repavimentação da Avenida Brasil no ano passado, a empresa não recebeu nenhum comunicado sobre datas, trechos que iriam ser fechados, horários ou uma orientação para realizar os desvios dos itinerários das linhas e para que pudéssemos, pelo menos, informar a comunidade sobre essas alterações”, argumentou Paula.

 

Ela explicou que a empresa apenas toma conhecimento sobre o andamento das obras no próprio dia em que estão ocorrendo.  Esta semana, especificamente, a situação piorou porque as máquinas atuam no centro da cidade, no ponto de cruzamento entre as linhas norte-sul e leste-oeste. E, considerando que a opção de ruas para desvios dos coletivos é restrita, as dificuldades ficaram mais evidentes. Paula listou, ainda, outros aspectos a serem considerados, além da falta de comunicação prévia sobre a realização das obras, para que a empresa pudesse tomar medidas com o objetivo de mitigar os atrasos:  

 

1 - Estabelecimentos comerciais voltaram a atender no horário convencional. Com isso, o número de veículos circulando nas vias aumentou se comparado com o início e o meio da pandemia. Desta forma, ocorre congestionamento e consequente atraso no tempo de viagem de todos os veículos, sendo o transporte coletivo ainda mais prejudicado (até pela falta de prioridade no trânsito);

2- Os horários foram reduzidos por causa da pandemia, atendendo com reforços em quase todas as linhas. Porém, como os desvios são improvisados devido à falta de comunicação, os passageiros estão reclamando de atrasos e alterações no itinerário. A mudança sem aviso prévio é resultado de o motorista da linha ser obrigado a realizar o trajeto possível até conseguir voltar ao percurso normal. Assim, algumas paradas de ônibus ficam desassistidas, e a comunidade, prejudicada porque os coletivos acabam impossibilitados de cumprir os horários.

 

Desde o início da pandemia até o mês de setembro, o volume de passageiros vinha se mantendo em média entre 20 e 22 mil usuários/dia. Neste mês de outubro, passou para uma média diária de 24 mil, e a Coleurb aumentou os reforços para suprir a demanda. “Mas não adianta aumentarmos o número de ônibus se ficam “trancados” no congestionamento, sem preferência de passagem ou até mesmo um desvio previamente estabelecido, separando os carros dos coletivos”, ponderou Paula.

Os canais Coleurb Responde (0800 e Whatsapp) e as redes sociais estão recebendo inúmeras reclamações por atrasos e falta de horários, porém, como lamentou Paula, a empresa se vê sem condições de resolvê-las. “Agora, ficamos na expectativa do retorno da Secretaria com as diretrizes a serem tomadas e permanecemos à disposição para qualquer esclarecimento”, finalizou a diretora-presidente.

Obras sem aviso prévio provocam atrasos no transporte coletivo urbano

ACESSO RÁPIDO

Passagem Estudantil
passagem
estudantil
Achados e Perdidos
achados e
perdidos
Passe Livre para Idosos
passe livre
para idosos
Vagas de Emprego
vagas de
emprego

Tarifa

Tarifa atual: R$ 4,30 - Decreto nº 021/2020, publicado em 22/02/2020.

Passagem Estudantil
De acordo com a lei municipal nº 4465/2008, ficou estabelecido que:

- Para os estudantes de ensino fundamental, médio e superior, o número de passagens a serem utilizadas mensalmente fica limitado a 80 (oitenta).

- Para os alunos dos cursos de nível superior, em turno integral, o limite poderá ser elevado a 110 (cento e dez) passagens, desde que haja comprovação específica dessa situação.

Ensino Fundamental = 80
Ensino Médio = 80
Graduação não integral = 80
Graduação integral = 110
Curso Técnico = 80
Curso Pré Vestibular não integral = 80
Curso Pré Vestibular Integral = 110

Para a compra das passagens estudantis é obrigatória a apresentação da Carteira Estudantil fornecida pela agremiação que representa o estudante. A mesma deve estar devidamente carimbada pela secretaria da instituição.

Para utilização das passagens estudantis nos ônibus, é obrigatória a apresentação da Carteira Estudantil.

Dúvidas frequentes: 

1. Quem pode comprar as passagens estudantis?
O estudante munido da carteira estudantil. Quando for menor de idade, pais ou responsáveis (legalmente autorizados), munidos de RG.


2. São vendidos somente pacotes lacrados?
Não. É vendida a quantidade desejada, dentro do limite estabelecido para o mês.


3. A passagem estudantil é válida no final de semana?
Sim. A passagem estudantil pode ser utilizada em qualquer dia e horário do ano.


4. Avós podem retirar passagens para os netos?
Somente se portarem o termo de guarda dos netos menores de idade.


5. A carteira estudantil precisa estar carimbada?
Sim. De acordo com a política da escola: bimestral, trimestral ou semestralmente.

Os pertences encontrados nos ônibus ficam disponíveis na empresa durante 30 dias. Após, são doados a instituições sociais do município.

Os idosos com mais de 65 anos, mediante apresentação de documento com foto, ficam isentos do pagamento da tarifa. A entrada no ônibus deve ser pela porta dianteira.

Conforme prevê a Constituição Federal (artigo 230, §2º), Estatuto do Idoso (artigo 39) e a Lei Municipal nº 2.675/91, "aos idosos, com mais de 65 (sessenta e cinco) anos de idade, é permitido o acesso ao transporte regular gratuito nos ônibus coletivos urbanos do Município de Passo Fundo, desde que portem e apresentem ao motorista, no momento do embarque, documento oficial com foto, original, como por exemplo, RG, CNH (Carteira de Motorista), CTPS (Carteira de Trabalho), etc".

Lembramos, entretanto, que transportes especiais, realizados diariamente com microônibus (Transporte Adaptado) ou, ainda, eventualmente com ônibus que cumprem linhas específicas criadas para atenderem determinados eventos (como shows, etc.), o transporte não é gratuito e a tarifa é a cobrada habitualmente, sendo o custo determinado pela tarifa vigente no Município.